16.7.11

O dois caminhos (...) Versos, Poesias, Crônicas, Textos e qualquer besteira. por: Michelle Luna.

"O meu caminho no mundo, achava eu que era para se cruzar
Junto do seu caminho,
e que assim, formaríamos um novo caminho mas dessa vez de mãos dadas
observando o futuro que tinha caído para os dois corpos que haviam pensado
que o destino havia batido nas duas portas de forma certeira.

Dos encontros, se fez a cumplicidade e também as afinidades que eram observadas de um amplitude da esfera profunda dos sentimentos e verbalização da palavra "Amor"

E em muitas das conversas, inúmeras conversas, eis que nos admirávamos pela completa semelhança de vida, de observações do mundo, sociedade, amigos, pessoas. e dizíamos nunca termos conseguido nos encaixar nesse mundo de forma completa ou totalmente transparente.
Observando tudo aquilo, chegamos a conclusão de que o dois apaixonados se sentima completamente em casa, como se estivesse em sua própria cama, coberto com o edredom. Ali os dois poderiam ser eles mesmos, sem julgamentos, sem personagens e sem críticas. Lembro-me até que os dois apaixonados falavam constatemente "Nunca conseguimos nos encaixar com as pessoas não é meu amor? Mesmo rodeados de amigos, familias, de festas e mais festas, no fundo nos sentíamos sozinhos, como se não pertencessemos a nenhum local ou a ninguém.
E por um passe de mágica, tudo isso mudou, éramos verdadeiramentes cúmplices de nós mesmos, amigos de nós amigos, não queríamos o mundo ou mais ninguém, era bom sentir que poderiamos nos tornar livres e a felicidade de finalmente nao estar em um órbita bebendo e "fingindo felicidade", em relacionamentos afundados, em amizades ou familias afundadas. é bom sentir-se em casa, sentir que alguém te aceita como você realmente é, na alegria e na tristeza, sabendo que somente aquela pessoa, conhece toda a sua maldade e toda a sua beleza, toda a sua bondade, e todo seu inferno. porque todos nos seres humanos, temos nosso céu e inferno.

E então, tudo foi embora rapidamente, como a onda que levou um barco para bem longe(...) e se fez silêncio e calmaria novamente.

E agora ambos os dois, não mais apaixonados, esperam ansiosamente pelo fogo, pela conexão profunda com um outro ser que esteja ai pelo mundo a nossa espera.
a pergunta que não calou pelo menos para meus pensamentos seria: Será que vai ser completo de fato e sintonizado como somente nos dois éramos?
Posso dizer que conheci o melhor e o pior desse outro ser, esse outro amigo que estava ao meu lado, e sempre saberei que no fundo ele se sente sozinho mesmo com toda a ilusão de preenchimento de felicidade na vida dele, esse preenchimento nunca será satisfatório, pois ele nunca mais se mostrará verdadeiramente como mostrou a sua essência boa e má somente a mim. Pode passar anos e mais anos, mas sinto que ele nunca mais irá confiar profundamente em outro alguém como ele pôs em mim seus sonhos, alegrias, medos, anseios, acerto e inseguranças, assim como eu devolvi tudo isso na mesma ou maior quantidade.

Eu não tenho a resposta se vamos amar novamente da mesma intensidade, mas desejo do fundo do coração que nessa vida, possamos nos apaixonar ou amar perdidamente pelo menos duas ou três vezes alguém com toda a sinceridade que o coração se permitir.

Mas o sentimento mudou e de forma negativa acredito que para sempre, e devidamente com isso o respeito e admiração que tínhamos foi para um espaço sideral bastante longe desse local que vivemos, chamado Terra. é uma pena, e não sinto mais vontade de mudar nada, e até acredito que se pudesse voltar o tempo, eu teria chegado atrasada naquela fliperama de 07 de agosto de 2010. eu mudaria tudo em um piscar de olhos, sem dúvida alguma, do que viver com a marca da mágoa, da pena, do nojo, ou pior: da indiferença por não sentir mais amor sincero ou simplismente por ter me desapaixonado de vez.

É uma lástima,



Michelle Luna

Nenhum comentário: